Matriz - Anápolis

Filial Goiânia



Nutrição em pauta - Osteoporose

Dados recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS) informam que a osteoporose atinge dez milhões de brasileiros. Por ser uma doença silenciosa, a descoberta da osteoporose ocorre, normalmente, por uma queda ou traumas de baixo impacto. A dor está diretamente associada ao local da fratura ou afundamento ósseo. O quadril, a coluna e o joelho são locais muito prevalentes de lesões relacionadas à osteoporose.

Dados da International Osteoporosis Foundation (IOF) apontam que a doença atinge mais de duzentos milhões de mulheres, e causa quase nove milhões de fraturas anualmente no mundo, o equivalente a uma fratura a cada três segundos.

As projeções estimadas para os próximos dez anos revelam que o número de fraturas de quadril relacionadas à osteoporose por ano (atualmente, 121.700 fraturas anuais) deverá atingir 140 mil pessoas até 2020.

A osteoporose está relacionada, na maioria dos casos, ao próprio processo normal do envelhecimento, e pode manifestar-se em ambos os sexos. A osteoporose é a perda da densidade do osso, tornando-o mais fraco e propenso a fraturas, secundárias a perda de cálcio de sua estrutura. Ela tem basicamente dois tipos, sendo o primeiro aquele que acomete as mulheres que entram na menopausa, devido à queda hormonal, e o segundo, aquele que acomete o idoso.  A osteoporose tem uma tendência a hereditariedade. As pessoas com histórico familiar de osteoporose, possuem maior tendência a desenvolvê-la, em comparação com as pessoas que não tem esse histórico. A osteoporose é silenciosa, não apresenta sintomas.

No entanto, as mulheres são as maiores acometidas, já que uma em cada três, acima de 45 anos de idade, tem osteopenia ou osteoporose. Quando há queda dos hormônios femininos ( como por exemplo o estrogênio), a perda de massa óssea pode ocorrer. Recomenda-se em alguns casos a reposição hormonal. Os lugares mais acometidos e que mais preocupam devido ao risco de fraturas são o fêmur e a coluna lombar. O tratamento no caso de mulheres jovens envolve reposição hormonal e nos idosos além de exercícios de impacto (estimulam o aumento da densidade óssea) algumas medicações como o alendronato podem auxiliar. É imprescindível a avaliação de um médico clínico para pesquisa de outras causas (problemas na tireoide, na paratireoide, perda de cálcio pelos rins, etc). Na maioria dos casos é reversível.

A incidência da doença pode variar de 14% a 29% em mulheres acima de 50 anos de idade, e chegar até 73% em mulheres acima de 80 anos. Em mulheres acima de 50 anos, o risco de fratura do colo do fêmur é de 17,5% e da coluna é de 16%. A presença de uma fratura na coluna dobra o risco de fraturas na coluna vertebral no futuro.

As principais causas da osteoporose são as alterações no metabolismo ósseo, a deficiência de cálcio e vitamina D, o envelhecimento, menopausa, doenças sistêmicas e autoimunes, relacionadas ao uso de medicamentos (como corticóides e anticonvulsivantes), ou devido ao desuso.

O tratamento deve ser feito sempre com orientação de uma equipe de profissionais especializados – formada por médico, nutricionista, fisioterapeuta e educador físico – juntamente com a família do paciente.

Realizar avaliações médicas periódicas, alimentação adequada e atividades físicas regulares é a melhor maneira de prevenir a doença e evitar suas complicações.

A prevenção inclui atividades físicas, pesquisa se não há uma causa secundaria. O uso indiscriminado de cálcio e vitamina D pode trazer malefícios a saúde.
Pesquisas que mostram que atividades de impacto (exemplo: pular corda) ajudam na prevenção, pois estimulam o aumento da densidade óssea.

Fonte
Dr. Antonio Alexandre Faria– ortopedista da COTESP Medicina Esportiva Formado em medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Residência em Ortopedia e Traumatologia no Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Santa Casa de São Paulo "Pavilhão Fernandinho Simonsen". Especialização em Cirurgia do Joelho e Artroscopia no Grupo de Joelho do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Santa Casa de São Paulo "Pavilhão Fernandinho Simonsen". Coordenador do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital San Paolo. Coordenador do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital São Camilo Santana.Membro da "Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia-SBOT".Membro da "Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho-SBCJ". Membro da "American Academy of Orthopaedic Surgeons-AAOS". Membro da "Internacional Society of knee Surgery, Artroscopy and Sports Medicine-ISAKOS




Sedatif
Vinagre de maça

Produtos em destaque


Melhora o desempenho da memória e no aumento da performace...
Osteoporose atinge 10 milhões de brasileiros, joelho e...
Relora® é a combinacão patenteada de constituintes ativos...
 


Copyright – 2014 – TODOS OS DIREITOS RESERVADOS